Secretário afirma que Parque de Exposições é patrimônio da agropecuária

Cidade da Música expulsando a agropecuária do Parque de Exposições não existe. Mandar a agropecuária para longe de Salvador seria um crime”. Assim reagiu o secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles diante da notícia de que um vereador candidato a deputado quer transformar o parque de exposições na Cidade Cultural da Música. De acordo com Salles, “o Parque de Exposições da Bahia é um patrimônio da agropecuária baiana e assim será preservado”.

O secretário informou que “a agropecuária da Bahia se adiantou e nós elaboramos um anteprojeto de revitalização do Parque de Exposição da Bahia que permite transformar o parque num espaço multiuso, reservando espaço para que a música que representa a cultura baiana esteja conosco”.  O secretário explicou que o anteprojeto prevê espaço para grandes e pequenos shows e formaturas, áreas para as mais variadas manifestações culturais, bem como um centro administrativo da agropecuária da Bahia, centralizando no parque a EBDA, a Adab, a Bahia Pesca, a CDA e a Seagri inteira.

A agropecuária baiana é forte, representa 24% do nosso PIB, 30% dos empregos gerados e 37% das exportações. A cultura baiana também é forte, reconhecida no Brasil e fora do País. Agropecuária e cultura podem continuar tendo uma convivência harmoniosa”, afirma Salles.

O secretário destacou que o parque de exposições cumpre também uma importante função social, que é a de aproximar o baiano da capital do seu irmão do interior. “Tem crianças que pensam que o leite que elas bebem vem da caixinha comprada no supermercado. É durante os eventos agropecuários que elas tem contanto com a vida do campo e conhecimento de como os alimentos são produzidos”, exemplifica.

Este ano, durante a Fenagro, no final de novembro, as crianças que visitarem o Parque de Exposição da Bahia terão uma visão completa das principais cadeias produtivas, desde a plantação até o produto final, com explicações claras sobre os caminhos que os produtos percorrem até a mesa do consumidor.

Ascom-Rezende

Fonte: Imprensa Seagri

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *