Negociações sanitárias e diversificação de mercados garantiram bom resultado da balança comercial

Negociações sanitárias e diversificação de mercados garantiram bom resultado da balança comercial

– Os esforços na resolução de questões sanitárias e a diversificação dos mercados compradores foram fatores fundamentais para que o Brasil conseguisse passar pela crise financeira mundial, com bons resultados na balança comercial do agronegócio em 2009, segundo o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes. O anúncio dos números de exportação e importação do último ano foi feito, nesta sexta-feira (8).

As exportações de produtos agropecuários, em volume, praticamente se mantiveram estáveis, na comparação com as vendas internacionais recordes de 2008, com queda de apenas 0,4%. Com a retração dos preços, o valor das exportações reduziu 9,8%, em relação ao ano anterior, alcançando a cifra de US$ 64,7 bilhões.

“O Brasil procura se preparar em termos de competitividade e eficiência e o governo tem procurado ajudar na resolução das questões sanitárias e no fechamento de acordos com esses países”, disse o ministro. Ele citou o trabalho que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) vem realizando para que, este ano, todo o País seja declarado livre da febre aftosa com vacinação, medida que poderá abrir novos mercados para a carne bovina.

Stephanes disse, ainda, que, em 2010, o Mapa continuará realizando gestões para aumentar as exportações de carne bovina para a União Europeia, carnes para a China, Japão e África do Sul.

Na opinião do ministro, os resultados do ano já eram esperados, pois, apesar da crise, o mundo teria que continuar consumindo alimentos e, com isso, a produção agrícola seria a última afetada. Ele ressaltou, ainda, medidas adotadas pelo governo no início da crise, como incentivo à produção e apoio à comercialização da safra. “O ano passado foi o que mais se gastou em comercialização numa série histórica. Apenas nos gastos a fundo perdido foram R$ 5,5 bilhões”, acrescentou.

Mercados – Sobre o crescimento das vendas para a Ásia, o ministro comentou que, atualmente, há um deslocamento do maior comprador do Brasil, que antes era a União Europeia para a Ásia, principalmente por causa da China, que, isoladamente é o principal destino dos produtos agropecuários nacionais, e da Índia, que, em 2009, aumentou em 442,6% as importações do Brasil, por conta da quebra da safra de açúcar.

ASCOM-Rezende
Fonte: MAPA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *