Ministério inicia programação sobre pecuária

6

As atividades da primeira Reunião Global sobre Pecuária Sustentável, promovida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tiveram início nessa terça-feira, 17 de maio, com a solenidade de abertura oficial do evento, na sede da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), em Brasília. O ministro da Agricultura Wagner Rossi foi representado pelo secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Erikson Chandoha.

O objetivo do encontro é debater um conjunto de ações que garanta a sustentabilidade da pecuária de corte nos próximos anos. Será elaborada uma agenda com orientações para melhorar a utilização dos recursos naturais por meio da adoção de boas práticas.

O Ministério Holandês de Assuntos Econômicos, Inovação e da Agricultura e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) são os outros parceiros do seminário. O grupo de discussão é formado por representantes dos países integrantes do Comitê de Agricultura (COAG, sigla em inglês): Brasil, Etiópia, Índia, Nova Zelândia, Países Baixos, China e Estados Unidos.

Segundo Chandoha, o Brasil desenvolve políticas públicas de incentivo à cadeia produtiva da carne desde a década de 60 e priorizou a pecuária sustentável nos últimos anos, com a criação de iniciativas como o Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC), a Produção Integrada de Sistemas Agropecuários em Microbacias Hidrográficas (Pisa) e o Programa Nacional de Fomento às Boas Práticas Agropecuárias (PRO-BPA).

“Tivemos um crescimento de 251% no rebanho brasileiro, passando de 58 milhões, nos anos 60 para, mais de 204 milhões de cabeças. E isso tudo com um aumento de apenas 39% de área explorada. Economizamos cerca de 70 milhões de hectares e a nossa produção de carne saltou mais de 50% nos últimos dez anos, passando de 9 milhões de toneladas por ano”, ressalta.

As novas políticas públicas, que pretendem estimular práticas ambientais com acréscimo de produtividade e de qualidade dos alimentos, sugerem ações com influência direta na criação de gado. A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e a recuperação de áreas degradadas deverão ampliar a quantidade de animais por hectare e a capacidade de rendimento de carcaça, com redução na emissão de gases de efeito estufa e preservação da biodiversidade.

“O Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo e temos a responsabilidade de desenvolver uma pecuária sustentável. Para isso, o governo e seus parceiros se comprometem a recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas, aumentar a produção de carne e gerar empregos com sustentabilidade”, afirma.

A programação da reunião se estende até sexta-feira, 20 de maio, e prevê palestras técnicas com representantes da FAO, do Banco Mundial e da Embrapa. Entre os temas debatidos estão as mudanças climáticas, a pecuária e o uso da terra e as prioridades temáticas regionais. O coordenador  de  Manejo  Sustentável  dos  Sistemas Produtivos do Ministério da Agricultura, Elvison Nunes Ramos, apresentará as políticas públicas no Brasil para o desenvolvimento da pecuária sustentável e as medidas previstas pelo Programa ABC para o setor nesta quinta-feira, 19 de maio, às 11h45min.

Ascom – Armênio

Fonte: MAPA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.