Fantásticos salários

1

Fantásticos salários

Relação dos contracheques no poder federal evidencia distorção em que uma casta recebe valores estratosféricos, acima do teto de R$ 25.725. O maior é de um professor universitário que ganha R$ 37.136

Apesar de concentrar as médias salariais mais baixas do setor público, nem todos os contracheques do Poder Executivo estão à mingua. Alguns órgãos da administração direta – incluindo fundações e autarquias – ostentam remunerações típicas de multinacionais. Em determinados casos, o funcionário mais bem pago chega a receber, por mês, 40 vezes o que um colega de repartição ganha. Distorções desse tipo não são raras. A relação dos maiores e menores salários do Executivo, publicada ontem pelo Ministério do Planejamento no Diário Oficial da União, mostra que servidores chegam a receber cerca de 50% acima do teto do funcionalismo, que, por lei, corresponde ao subsídio dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) – atualmente em R$ 25.725,00.

O maior salário é de um professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), cuja remuneração total chega a R$ 46.430,42. O alto valor se explica pelo fato de que o servidor tem decisões judiciais favoráveis a pagamentos de retroativos e conseguiu ainda incorporar uma série de gratificações acumuladas ao longo do tempo. Sobre o montante, no entanto, incide o abate teto – instrumento legal utilizado pelo governo para adequar a folha de pessoal -, o que faz com que a remuneração bruta caia para R$ 37.136,10. Na mesma instituição, o servidor que está na base da pirâmide ganha R$ 837,04 por mês.

Os dados divulgados pelo Planejamento referem-se a agosto de 2009 e foram coletados diretamente do sistema online que administra o quadro de pessoal civil da União, o Siape(1). Naquele mês, o teto do funcionalismo estava em R$ 24.500,00. Esse valor subiu para os atuais R$ 25.725,00 em outubro do ano passado, depois que o Congresso Nacional aprovou e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou um projeto reajustando os salários do STF. O teto dará um novo salto em fevereiro, também por força dessa mesma lei, alcançando R$ 26.723,13.

Dos 216 órgãos ou entidades rastreados pelo Ministério do Planejamento, 18 mantêm em seus quadros servidores que ganham exatos R$ 24.500,00 (o antigo teto). Outros seis pagam salários entre R$ 25,2 mil e R$ 37,1 mil. O governo não dá detalhes sobre o ranking do Executivo(2), mas a maioria dos servidores que recebem os supersalários são aposentados ou estão prestes a se aposentar.

O menor salário é pago pelo Executivo a um servidor do Comando do Exército: R$ 823,14. A baixa remuneração reflete o perfil médio dos órgãos civis e militares. No início do mês, o Correio mostrou a despesa média (gasto total dividido pelo número de servidores) dos Três Poderes subiu entre 2003 e 2009, indicando uma elevação do salário médio dos trabalhadores. Por esse critério, porém, a remuneração média do servidor do Executivo é a mais modesta: R$ 6,8 mil. No Legislativo, o valor é de R$ 12,4 mil, enquanto que no Judiciário, R$ 17,6 mil.

O conceito de direito adquirido é o que justifica tantas diferenças salariais dentro do Executivo. Kiyoshi Harada, advogado especialista em direito administrativo e membro da Academia Paulista de Letras Jurídicas, explica que os vencimentos acima do teto constitucional estão garantidos por “coisa julgada”, ou seja, já superaram todas as instâncias legais e hoje estão pacificados. Algumas decisões da Justiça chegam a proibir o governo de fazer o abate teto e baixar a remuneração do funcionário. “A única forma de reduzir o vencimento seria o Estado comprovar que aquilo é fruto de erro”, resume Harada.

1 – Radiografia

O Siapenet é gerenciado pela secretaria de recursos humanos, órgão vinculado ao Ministério do Planejamento. Nos últimos anos, o portal vem sendo modificado e sua funcionalidade, melhorada. Recentemente, o governo abriu consulta pública para colher sugestões do cidadão. O sistema será reformado até o fim de 2010.

2 – Transparência

A publicação das remunerações do Executivo ocorre três vezes ao ano e está amparada por um decreto presidencial baixado em 2000. A listagem divulgada ontem é a primeira de 2010 e fica disponível na internet. Judiciário e Legislativo não têm a mesma obrigação de repassar essas informações, o que, segundo os órgãos de fiscalização e controle, dificulta o acompanhamento dos gastos com pessoal.

ASCOM-Rezende
Fonte: Correio Braziliense – por Luciano Pires

Uma resposta para “Fantásticos salários”

  1. Eu queria para criar você uma pouco note para dar muitos agradecimentos como antes para estes espectacular dicas você tem em destaque neste caso . Foi generoso com você para conceder publicamente exatamente o que muitas pessoas {poderiam ter | poderiam possivelmente ter | poderiam ter | teriam | publicitado como um ebook para ajudar a fazer algum lucro para seu próprio fim , especificamente agora que you poderia ter tried it caso você desejado. Those estratégias adicionalmente agido saiba que algumas pessoas tem um semelhante dream o mesmo que my own a perceber muito mais em relação a this issue . Eu acho que há muitas mais agradáveis ​​ tempos no futuro para indivíduos que navegue seu site

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.