Escalada na despesa com pessoal se intensifica a partir de 2003 e faz salários dos servidores mudarem de patamar

Escalada na despesa com pessoal se intensifica a partir de 2003 e faz salários dos servidores mudarem de patamar

Impulsionada por uma política de reajustes sem precedentes na história do país, a folha de pagamentos da União terá consumido ao fim dos dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a fabulosa quantia de R$ 1 trilhão.

Marca registrada de uma era, a elevação das despesas com pessoal em termos nominais se repetiu ano após ano. Mais recentemente, também houve alta em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o que preocupa os analistas. Em 2010, quando o governo concluirá a rodada de aumentos que beneficiou quase toda a Esplanada dos Ministérios, o desembolso com os Três Poderes — incluindo ativos, inativos, aposentados e os militares — será recorde para um único período: R$ 184,1 bilhões.

A escalada dos contracheques do funcionalismo vem desde os primórdios do Plano Real, mas se intensificou a partir de 2003. Daquele ano em diante, a rubrica passou a pesar cada vez mais nas contas públicas, saltando R$ 10 bilhões, R$ 15 bilhões e até R$ 20 bilhões entre um Orçamento e outro. Ao contrário do que os números podem sugerir, porém, o incremento da folha não é resultado do excesso de contratações. Dados oficiais demonstram que, na gestão Lula, o saldo líquido de servidores civis no Executivo federal — resultado de ingressos e saídas — é de cerca de 64 mil pessoas. Legislativo e Judiciário ampliaram seus quadros em pouco mais de 15 mil trabalhadores.

Decifrando a fatura trilionária, é possível perceber que o setor público mudou de patamar. A despesa média (gasto total dividido pelo número de servidores) dos Três Poderes subiu entre 2003 e 2009, indicando uma elevação do salário médio. Por esse critério, a remuneração média do servidor do Executivo em atividade saiu de R$ 3,7 mil para R$ 6,8 mil; entre os militares, de R$ 1,9 mil para R$ 3 mil; no Legislativo, de R$ 6,9 mil para R$ 12,4 mil; e no Judiciário, de R$ 6,4 mil para R$ 17,6 mil. O efeito desse fenômeno sobre algumas áreas da administração pública é revelador.

Carreiras do Executivo federal que tinham um perfil remuneratório em 2003 agora, em 2010, têm outro completamente diferente. É o caso dos gestores governamentais, que ganhavam R$ 2,9 mil de salário inicial e hoje recebem R$ 12,4 mil. Ou dos auditores fiscais da Receita Federal, que ingressavam ganhando R$ 5 mil e se aposentavam com R$ 7,3 mil — a categoria tem atualmente salário inicial de R$ 13 mil e final de R$ 18,2 mil. Servidores da Advocacia-Geral da União (AGU), do Banco Central, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), entre outros, também foram alvos de importantes correções salariais.

Fernando Abrucio, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), avalia que o governo Lula talvez tenha “exagerado” ao aumentar os salários de determinados grupos, mas ressalta que entre erros e acertos a proposta de reorganização da burocracia tem méritos. Para ele, o ataque aos gargalos deve ser reconhecido como algo positivo para o futuro do país. “É uma conta muito burra colocar em investimento apenas infraestrutura. O que é mais importante para o crescimento no longo prazo é a educação, logo, isso é investimento. O governo Lula cresceu muito o gasto com escolas técnicas e pessoal para universidades”, diz.

A criação de instituições federais de ensino, o reforço nos quadros e os reajustes concedidos a docentes e técnicos têm grande responsabilidade sobre o conjunto das despesas correntes acumuladas. Não por acaso, a execução orçamentária do Ministério da Educação mais que dobrou entre 2003 e 2009, passando de R$ 20,7 bilhões para R$ 48,2 bilhões anuais. As estatísticas de recursos humanos disponíveis não permitem o detalhamento das contas, assim como a separação dos aportes com terceirizados (1)nos governos Lula e Fernando Henrique Cardoso. Segundo Abrucio, o avanço dos gastos na gestão petista tem como causa a substituição de terceirizados mantidos de forma irregular desde o governo FHC. O Ministério do Planejamento não se pronunciou a respeito.

Alerta
Bráulio Borges, economista-chefe da LCA Consultores, afirma que o governo acertou ao corrigir salários que por muito tempo permaneceram praticamente congelados, mas adverte que o atual governo ficará marcado por ampliar despesas com servidores em relação ao PIB. “Comparar os gastos nominais com o funcionalismo ao ritmo de expansão econômica do país não é tarefa fácil. Há divergências até mesmo na contabilidade feita pelo governo, que ora leva em consideração a Contribuição Patronal para a Seguridade do Servidor (CPSS) ora não.

Contando com esse recolhimento, entre 2003 e 2005, a despesa de pessoal ficou em 4,6% do PIB, passando para 4,9% em 2006 e 4,8% em 2007. Nos dois anos seguintes, a conta superou os 5% do PIB, com tendência de alta, fato só ocorrido em 1995, 2001 e 2002. Sem a CPSS, a evolução acontece em ritmo menor. Borges alerta que é essencial estabilizar a despesa com funcionários, qualquer que seja o critério.

1 – Substituição em massa
No governo federal há 35.161 terceirizados — 12.633 na administração direta e 22.528 na administração indireta. Contratadas por meio de organismos internacionais, desviadas de função ou admitidas em desacordo com a lei, essas pessoas estão sendo substituídas. A troca é uma imposição do Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo o Planejamento, como os gastos são descentralizados, não há como saber quanto cada órgão gastou ao longo do tempo com os salários desses funcionários.

Lula x FHC

A conta em cada administração

Govergo FHC (em R$ bilhões – corrigido pela inflação)

1995 – 91,3
1996 – 90,2
1997 – 93
1998 – 98,7
1999 – 97,5
2000 – 103,9
2001 – 108,5
2002 – 110,5
TOTAL – 793,6

Governo Lula (em R$ bilhões – corrigido pela inflação)

2003 – 106,4
2004 – 112
2005 – 118,8
2006 – 132,2
2007 – 139,6
2008 – 150
2009 – 171,9
2010 – 184,1*
TOTAL – 1.115

*Previsão no Orçamento

Gasto com pessoal x PIB (em %)

2003 – 4,65
2004 – 4,61
2005 – 4,67
2006 – 4,95
2007 – 4,88
2008 – 5
2009 – 5,1**

**sujeito a revisão

Fonte: Ministério do Planejamento

FHC gastou R$ 793 bi
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso não gastou tão pouco com o funcionalismo como tendem a acreditar os servidores públicos. Corrigindo as folhas de pessoal daquela época (1995 a 2002) pela inflação do período, o volume acumulado pelo tucano chega a R$ 793,6 bilhões em valores atuais. Em meio a um forte e prolongado ajuste fiscal baseado na redução das contratações, na terceirização de atividades não essenciais ao Estado e na autorização de reajustes salariais mínimos, o tucano — bem ou mal — manteve a máquina de pé.

Elogios
Marco Antônio Villa, historiador da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), diz que é impossível traçar um paralelo entre Lula e FHC no que se refere ao tratamento dispensado ao funcionalismo. “O aumento dos gastos no período Lula se explica por demandas da própria sociedade”, justifica o especialista, que elogia os feitos na área de educação. Para ele, saber quem gastou mais ou quem gastou menos é irrelevante perto do que as duas políticas significaram ou ainda podem significar para o país.

Em se tratando de gestão pública, as “escolas” tucana e petista produziram efeitos distintos, avalia Villa. A mudança na área de recursos humanos, segundo o historiador, tem grande fundo ideológico. Se, por um lado, recompôs a força da administração, por outro, criou uma burocracia identificada com os valores do partido que está no governo, segundo a avaliação do especialista. “Nesse sentido, a administração pública acaba se tornando uma correia de transmissão da legenda. Isso pode engessar um governo que não seja do PT”, ressalta.

ASCOM- Rezende
Fonte: Correio Braziliense

17 comentários sobre “Escalada na despesa com pessoal se intensifica a partir de 2003 e faz salários dos servidores mudarem de patamar

  1. My partner and I absolutely love your blog and find the
    majority of your post’s to be exactly I’m looking for.
    Does one offer guest writers to write content for you?
    I wouldn’t mind producing a post or elaborating on a
    lot of the subjects you write with regards to here. Again, awesome weblog!

  2. Hey! Someone in my Myspace group shared this website
    with us so I came to look it over. I’m definitely
    enjoying the information. I’m bookmarking and will be tweeting this to my followers!
    Excellent blog and superb style and design.

  3. I’m truly enjoying the design and layout of your website.
    It’s a very easy on the eyes which makes it much
    more pleasant for me to come here and visit more often. Did you hire out
    a developer to create your theme? Exceptional work!

  4. My programmer is trying to persuade me to move to .net from PHP.

    I have always disliked the idea because of the expenses. But he’s tryiong none the less.
    I’ve been using Movable-type on a variety of websites for about a year and am worried about switching to another platform.
    I have heard excellent things about blogengine.net. Is there a way I can transfer all
    my wordpress posts into it? Any kind of help would be really appreciated!

  5. hello!,I like your writing very much! share we keep in touch more approximately your article
    on AOL? I require an expert in this area
    to unravel my problem. May be that’s you! Looking ahead to
    see you.

  6. What’s Taking place i’m new to this, I stumbled upon this
    I’ve discovered It absolutely helpful and it has helped me out loads.
    I’m hoping to give a contribution & aid other users like its helped
    me. Great job.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *