Controle de praga de citros é discutido na Câmara de Fruticultura

“Os estados com indícios da presença da mosca negra (praga que atinge principalmente os citros) devem informar ao Ministério da Agricultura imediatamente e atualizar os levantamentos de detecção da praga”. O alerta é do diretor do Departamento da Sanidade Vegetal do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (DSV/Mapa), André Peralta, que participou, nesta quinta-feira (13), da 23ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Fruticultura, em Brasília.

A praga, que pode causar perda na produtividade por reduzir a área de fotossíntese da planta, já é difundida na região Norte. Em Goiás e São Paulo existem focos controlados. No Nordeste, o Maranhão enfrenta a mosca negra desde 2001. Em dezembro de 2009, a praga foi identificada, na Paraíba e, em abril deste ano, confirmada em Pernambuco. De acordo com o diretor do DSV, Ceará e Rio Grande do Norte estão sob suspeita. “Como está tendo muito problema de trânsito de vegetais entre os estados do Nordeste, vamos discutir a padronização dos procedimentos, com base na Instrução Normativa nº 23, de 2008”, enfatizou.

O tema é pauta de reunião na próxima quinta-feira (20), em João Pessoa/PB, com a participação dos serviços de defesa agropecuária e Superintendências Federais de Agricultura do Nordeste. “Na ocasião, serão apresentadas as regiões produtoras onde estão os hospedeiros para que o Ministério da Agricultura determine as rotas de risco para o trânsito de frutos com as folhas, onde a praga pode ser disseminada”, enfatizou Peralta.

Legislação – A Instrução Normativa Nº 23/ 2008 determina a restrição de trânsito de plantas e suas partes, exceto sementes e material in vitro, das espécies hospedeiras da mosca negra dos citros, quando originadas de unidades da federação onde seja constatada, por laudo laboratorial, a presença da praga. A mosca negra atinge, primeiramente, as culturas de citros, caju e abacate e hospedeiros secundários como café, manga, banana, uva e goiaba.

Ascom – Armênio

Fonte: Mapa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *