CEPLAC REALIZA DIA DE CAMPO

0
Dia de Campo sobre o Sistema Agroflorestal orienta agricultor
O agricultor familiar Josenildo Moreira Nascimento, da Associação dos Pequenos Produtores da Santa Maria, Ilhéus, se disse satisfeito com as orientações técnicas que recebeu na Superintendência de Desenvolvimento da Região Cacaueira da Ceplac, na Bahia, rodovia Ilhéus – Itabuna. Ele foi um dos 120 participantes do Dia de Campo – Sistema Agroflorestal (SAF) – consórcio de seringueira, cacau e pupunha – promovido pela instituição, nesta quarta-feira, 30, em convênio com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA/SFA).

“Gostei muito do que foi mostrado. Aprendi sobre o cultivo da seringueira em associação com outros cultivos, principalmente no período em que se desenvolve o cacaueiro. Já sou produtor, mas não tinha as técnicas que aprendi hoje”, disse Josenildo Nascimento, agricultor familiar cadastrado pelo Núcleo Regional de Extensão da Ceplac, em Ilhéus, que promoveu o Dia de Campo. Durante mais de seis horas pesquisadores e extensionistas da Ceplac orientaram sobre preparo de área – balizamento, abertura de covas, manejo de sistemas agroflorestais e beneficiamento de pupunha.

O pesquisador da Ceplac José Raimundo Bonadie Marques disse ao programa de rádio “De Fazenda em Fazenda”, que ensaios com SAFs envolvendo a seringueira como árvore de sombreamento do cacaueiro em plantio simultâneo é especifico para agricultores familiares. “São modelos planejados para que na fase de maturidade dos cultivos principais tenham uma fonte de renda que pode ser intercultivos como milho, feijão, bananas da terra e prata, mamão, andu, abacaxi, etc.”, explicou, acrescentando que a Ceplac está recomendando o plantio da seringueira e cacaueiro em Sistemas Agroflorestais (SAFs) no momento de renovação da lavoura cacaueira.

O Dia de Campo serviu para mostrar aos pequenos produtores familiares como conduzir a implantação de SAFs nas suas propriedades. “Quando se orienta sobre fileiras duplas, plantios leste-oeste entre outras formas, algumas pessoas têm dificuldades. Com a demonstração que fizemos tudo se torna mais fácil, incluindo a análise de solo, abertura de covas, seleção de mudas, plantio”, argumentou o agrônomo da Ceplac Fernando José da Silva Pinto, para quem a demonstração de práticas culturais apropriadas e a resposta às indagações no contato entre agricultor e técnicos facilitarão o trabalho de multiplicação entre os integrantes da associação.

Ascon-Rezende

Fonte :Ceplac/Jornalista ACS/Ceplac/Sueba
Luiz Conceição

Fotos: Wilde Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.