Ceplac poderá doar terreno para auxiliar nas metas do PAC

0

O diretor da Ceplac Jay Wallace encaminhou ontem (17) para o secretário Executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) Gerardo Fontelles, pedido para doação de terreno à Prefeitura de Jussari/BA. Esse terreno deverá ser destinado ao programa “Minha casa, minha vida”, como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal.

A prefeita de Jussari/BA Neone Cordeiro, que fez a solicitação do terreno em reunião com a diretoria da Ceplac em Brasília, esclareceu a necessidade do recebimento dessa área pela União. “Não temos tido sucesso em conseguir outras áreas urbanas que atendam as demandas do Programa em nossa cidade. Apenas o terreno pertencente à Ceplac possui as características necessárias para a construção das moradias”, disse a prefeita.

Na ocasião Jay Wallace informou quais procedimentos deverão ser adotados pela prefeitura junto ao Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) para que seja dada legitimidade ao processo de doação. Ele afirmou que considera importante a colaboração de todos para que as metas do PAC sejam cumpridas.

As negociações para doação dessa área ao município de Jussari/BA tiveram inicio quando Neone buscou apoio junto ao Superintendente de Desenvolvimento da Região Cacaueira na Bahia da Ceplac Antonio Zózimo de Matos Costa. Na ocasião o superintendente disse considerar a doação viável e após visitar o local para conferir a estrutura da cidade, encaminhou Neoni para finalizar os procedimentos com a diretoria da Ceplac.

O PAC foi lançado em janeiro de 2007 e prevê uma série de investimentos que mexem com a estrutura do país. De acordo com o discurso do presidente Lula no lançamento do Programa, o objetivo é disponibilizar moradia para a população, melhorar estradas, ferrovias, portos, metrô, construir hidrelétricas, implantar coleta e tratamento de esgoto, entre outros itens.

Para isso, o governo federal destinou R$ 503,9 bilhões para serem investidos até o final deste ano com as obras e projetos previstos no PAC. Porém, nem todo o dinheiro sai dos cofres públicos. O PAC prevê parcerias com empresas, que fazem a apresentação de projetos e oferecem contrapartidas. Nestes casos, após a aprovação do projeto, a obra é financiada com parte do dinheiro do PAC e parte das empresas. Estados e municípios podem fazer parte dessas parcerias.

Ascom – Armênio

Fonte: Assessoria de Comunicação da Ceplac

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.